Programa de demissões voluntárias executado durante o primeiro semestre teve 6,26 mil desligamentos, aquém do esperado pela estatal

Correios vão reabrir plano de demissões para cortar mais 5,46 mil vagas

Programa de demissões voluntárias executado durante o primeiro semestre teve 6,26 mil desligamentos, aquém do esperado pela estatal

SÃO PAULO – Em nova medida para reduzir as despesas da estatal, que tem mais um ano de prejuízo, os Correios devem reabrir no mês que vem seu programa de demissões voluntárias. O objetivo agora é reduzir o quadro em 5,46 mil empregados, o que representaria uma economia mensal de R$ 54,5 milhões na folha de pagamento.

Após passar pelos departamentos jurídico e de recursos humanos, o plano foi aprovado na quarta-feira, 16, pela diretoria da companhia e agora só depende de aprovações burocráticas, como a autorização do conselho de administração e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, para ser anunciado.

Embora tenha tido um grande número de adesões, com 6,26 mil desligamentos – permitindo à empresa reduzir em R$ 68,6 milhões os gastos mensais com pagamentos de salários, ou R$ 543,5 milhões até o fim do ano -, o programa de demissões voluntárias executado durante o primeiro semestre ficou aquém do objetivo dos Correios de cortar 8,2 mil empregados e enxugar a folha em R$ 72,9 milhões por mês.

Fonte

R. Bernardo Vianna, 52 - Centro, Valença - RJ, 27600-000

Correios anuncia fim da agência em distrito de Valença

Moradores se unem pela permanência e pedem apoio aos políticos

Santa Izabel do Rio Preto – De acordo com os Correios, a agência localizada no 3º distrito de Valença está com os dias contados: 29 de setembro. A notícia vem sendo comentada há algumas semanas pelo vereador Marcelo de Oliveira (Marcelo de Santa Izabel), que vem através das redes sociais questionando a medida tomada pela direção da estatal. Segundo a Assessoria de Imprensa dos Correios no Estado do Rio, a iniciativa faz parte de projeto de fusão que tem como objetivo reverter o cenário financeiro da empresa. Para os moradores, a situação é grave, já que não é só o envio de correspondências que ficará comprometido: com o fechamento da agência, será o fim também do Banco Postal.

Segundo Lauro Roberto dos Santos, presidente da Associação de Moradores, a notícia do fechamento chegou há algumas semanas: um comunicado pregado ao lado porta da agência.

“Assim que nós ficamos sabendo, nós entramos com uma ação no Ministério Público Federal, pedindo o cancelamento do encerramento dos trabalhos”.

Lauro conta que a comunidade participou de abaixo-assinado, somando aproximadamente quinhentas assinaturas, sendo o documento entregue na mão do superintendente regional.

“Estamos fazendo novo abaixo-assinado, para poder enviar para Brasília!”. Para ele, o fechamento da agência atinge, principalmente, os habitantes de menor renda daquela comunidade, em virtude da dificuldade de locomoção para a sede em Valença. “

A agência mais próxima é em Conservatória. Fica a mais ou menos trinta minutos de carro, cerca de 23 km”, informou ele, lembrando que a empresa que faz o transporte coletivo neste trajeto só oferece três horários. Lauro lembra que o distrito tem mais de trezentos quilômetros de estradas vicinais e grande parte da população da zona rural usa os serviços da agência dos Correios.